Progressão Traumática

Ep.01: Progressão Traumática | Um dia de cão.

Marianna sente dores nas articulações, parece que um caminhão passou por cima do seu corpo naquela noite. Enquanto caminhava apressada para uma entrevista de trabalho, indicada por uma vizinha, pensava no quanto a ansiedade pela entrevista a impediu de ter um sono tranquilo.

Às 11h o sol já parecia estar no máximo de seu poder. O ônibus passou com 15 minutos de atraso e o motorista não parecia estar com pressa. O suor escorrendo na nuca, molhando os cabelos e ela pensa: “Preciso chegar apresentável para entrevista”. As palavras da amiga conselheira ecoavam em sua mente:

“Não chegue atrasada para entrevista das 11h30, vá bem arrumada e perfumada, você irá atender pessoas como agente de vendas nesta loja”.

Nervosa e ansiosa, Marianna finalmente chega à loja para a entrevista. Olhou no relógio: “Ufa! Consegui chegar com 2 minutos de folga!”, pensou ao entrar no ambiente climatizado que refrescou sua pele.

Sentada, assustada, coração batendo forte, fazia as contas dos gastos daquele mês e acrescentava o custo de uma passagem para casa da mãe que morava no interior.

Marianna viu quando a gerente da loja parou de conversar baixinho com a vendedora e veio em sua direção. Brevemente, se desculpou por não ter desmarcado a entrevista com antecedência porque a nova agente de vendas já havia sido contratada naquela manhã.

Retorna para casa mordendo os lábios, respirando fundo, olhando para a ponta dos pés, envolvida pela ansiedade que dominou seu corpo. Enquanto caminha vagarosamente conclui: “Viver é difícil, principalmente eu que sou diferente das outras pessoas. Eu nasci com defeito”. 

A SENSAÇÃO DE FRACASSO, O MEDO, O DESÂNIMO A AUTOESTIMA NEGATIVA SÃO FORTES CONSEQUÊNCIAS COMPORTAMENTAIS DE UMA PESSOA QUE PASSOU POR ABUSO SEXUAL EM SUA INFÂNCIA.

Inclusive, isto tem um nome: 

PROGRESSÃO TRAUMÁTICA.

No entanto, Marianna não sabia disso.

Marianna agradece timidamente tentando esconder o desapontamento e ainda assim ser simpática, apesar da frustração e decepção. Volta para o sol escaldante do meio-dia. O suor se mistura com uma lágrima e ela lamenta: Não foi desta vez”.

Pensou naquele instante que deveria ter terminado a faculdade de pedagogia, pois assim poderia hoje estar dando aulas para crianças. Mas em seguida veio o aperto no coração ao lembrar que na época que poderia ter estudado ela se sentiu fracassada, desanimada, parando o curso no terceiro semestre. 

Progressão Traumática

Autora: Sandra Barilli

Referência: Sándor Ferenczi

Ep. 01

Scroll to Top